Bio

Alexandre Pontara é diretor teatral, ator, roteirista, escritor, dramaturgo, poeta e produtor.

Em 2018, lançou o manifesto transmídia Poética em Transe. Foi um dos produtores da 1ª edição do Festival Audiovisual FICA.VC, em 2017 no Rio de Janeiro. Entre 2008 e 2011, foi crítico teatral do Guia da Semana.

Como diretor teatral, o foco de sua pesquisa está no trabalho investigativo sobre a interferência da linguagem audiovisual no espaço cênico.

A Cidade das Mariposas, encenada em 2011, e publicada em 2015, pela Giostri Editora,  marca sua estreia como dramaturgo e diretor teatral. Em 2013, adaptou e dirigiu Fausto Zero de Goethe e assinou a Direção Artística da Ocupação Primus Arte Movimento do Teatro Glauce Rocha no Rio de Janeiro.

É autor dos textos inéditos Doze Horas para o Fim do Mundo, Paraíso Profano, O Processo Blake,  Entre Irmãos, As Últimas Horas, Man Machine 2.0 e Relatos em Transe, das antologias poéticas digitais, publicadas em 2015,  “Poemas Mundanos”, “Poesia Urbana” e “Sombras” e dos roteiros “Até o Fim da Noite” e “Doze horas para o Fim do Mundo”.

Alexandre Pontara
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube
© 2015-2019 "Argumento e Prosa".
Site oficial de Alexandre Pontara.
Todos os direitos reservados.
 
Site desenvolvido por
Argumento Cultural Produções.

é ator, diretor, escritor, poeta, roteirista, dramaturgo e produtor cultural.

A Cidade das Mariposas

Cidade das Mariposas, primeira montagem da Primus Cia de Atores, estreou em agosto de 2011, no Teatro Maria Clara Machado.

 

Primeira parte da Trilogia Manuscritos do Tempo, escrita por Alexandre Pontara, narra a jornada de dois irmãos gêmeos - Gilo e Golã - em busca de uma cidade feita de luz onde pode se encontrar a cura para todas as deformidades. No meio do caminho, encontram uma trupe grotesca de artistas formada por um falso profeta, uma mulher-barbada, uma mulher-criança e um corcunda que se mostram tão deformados quanto os irmãos.

 

Cidade das Mariposas é um teatro que busca suas raízes no surrealismo e no teatro do absurdo. Após temporada no Maria Clara Machado, o espetáculo reestreou no Teatro Ziembinski e, posteriormente, participou do Festival de Curitiba e abriu a temporada de comemorações dos 40 anos do Teatro Paiol em Curitiba.

1/4
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now